Educação Indígena - Espaço de vivências e convivências compartilhadas

  • Adailton Alves da Silva UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO - UNEMAT Campus de Barra do Bugres
Palavras-chave: Apyãwa/Tapirapé, A’uwẽ/Xavante, Myky, Etnomatemática.

Resumo

No presente artigo buscamos enfatizar a amplitude do processo socioeducativo de três povos indígenas: os Apyãwa/Tapirapé, os Myky e os A’uwẽ/Xavante e ao mesmo tempo, explicitar os princípios e as concepções de educação geradas, sistematizadas e difundidas a partir dos elementos da cultura material e imaterial desses povos. Elementos estes que foram observados na nossa convivência e interação com esses povos, nos últimos dezessete anos. A interação ocorreu, na maior parte dos casos, através da participação direta e indiretamente nos rituais e eventos do dia a dia dessas comunidades (projetos de extensão, pesquisa com fomenta, mestrado e doutorado). Nesse período de convivência com esses povos foi possível perceber que suas concepções de mundo é uma obra em construção, algo por vir, e é a partir dessa incompletude que grande parte dos saberes e conhecimentos são gerados, sistematizados e difundidos de forma dinâmica e jamais finalizada, estando esses saberes sujeitos à interferência das condições especificas de estímulos e de subordinação ao cosmológico, ao contexto histórico, ao natural e às multi/inter/relações sociais. Neste processo de interação, diálogo, troca e observações in loco, a Etnomatemática foi a base para ententer/compreender a maneira como esses processos estão sistematizados e como são difundidos nesses contextos.

Biografia do Autor

Adailton Alves da Silva, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO - UNEMAT Campus de Barra do Bugres
Nome: Adailton Alves da Silva 2. Formação inicial: Licenciatura em Matemática 3. Especialização (1): Educação Escolar Indígena – UNEMAT/Campus de Barra do Bugres-MT 3. Especialização (2): História da Matemática – UNEMAT/Campus de Barra do Bugres-MT 4. Mestrado: Educação Matemática – UNESP – Rio Claro-SP 5. Doutorado: Educação Matemática – UNESP – Rio Claro-SP 6. Função/Cargo: Professor Adjunto do Departamento de Matemática e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECM) -UNEMAT - Campus de Barra do Bugres - MT. Diretor da Faculdade Intercultural Indígena – UNEMAT/Campus de Barra do Bugres-MT. 7.Contato:adailtonalves5@uol.com.br ou adailtonbbg@unemat.br 8. Link do lattes: http://lattes.cnpq.br/3275537710838553

Referências

AMARANTE, Elizabeth Aracy Rondon. Espaços Culturais e Eixos Temáticos: Uma Abordagem da Roça Myky Como Proposta Pedagógica. I SEEJA - Seminário de Educação de Jovens e Adultos. - PUC-Rio, 2010.

BALDUS, Herbert. Tapirapé, tribo Tupi no Brasil Central. São Paulo, Companhia Editora Nacional: Editora da Universidade de São Paulo, 1970.

BOFF, Leonardo. A Opção Terra. Record, 2009.

BOFF, Leonardo. O Casamento Entre o Céu e a Terra – contos dos povos indígenas do Brasil. – Rio de Janeiro : Salamandra, 2001.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O Processo Geral do Saber. In Educação Popular. Brasiliense. SP, 2006. Col. Primeiros Passos.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática. Arte ou Técnica de Explicar e Conhecer. Editora Ática, São Paulo, 1990.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

ESCOLA ESTADUAL INDÍGENA XINUI MYKY. Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Indígena Xinui Myky. Brasnorte-MT, 2008.

FREIRE, Paulo. Assessoria à Assembléia Regional do CIMI-MT. Cuiabá, 1982 (mimeo).

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia – saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra : Coleção Leitura, Rio de Janeiro : 16ª edição, 1996.

GENNEP, Arnold Van. Os Ritos de Passagem – estudo sistemático dos ritos da porta e da soleira, da hospitalidade, da adoção, gravidez e parto, nascimento, infância, puberdade, iniciação, ordenação, coroação, noivado, casamento, funerais, estações, etc.; tradução de FERREIRA, Mariano. Coleção Antropologia Vol. 11 - Petrópolis, Vozes, 1977.

GIACCARIA e SALVATORE. A Iniciação Xavante à Vida Adulta (Danhono). Campo grande: UCDB, 2001.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de. Antropologia e Educação. In: Antropologia e Educação - Interfaces do ensino e da pesquisa. Cadernos CEDES, ano XVIII, nº 43, dezembro de 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 1991/2010. Disponível em http://indigenas.ibge.gov.br/graficos-e-tabelas-2.html. Acessado em 15/07/2016.

MAYBURY – LEWIS, Devid. A Sociedade Xavante. Livraria Francisco Alves Editora. – Rio de Janeiro – RJ, 1984.

MELIÁ, Bartomeu. Ação Pedagógica e Alteridade. In: Ameríndia - Tecendo os caminhos da Educação Escolar, Cuiabá-MT, CEI, 1998, pg. 21/22.

NUNES, Angela. A Sociedade das Crianças A’uwẽ-Xavante: por uma antropologia da criança. Lisboa: Ministério da Educação/Instituto de Inovação Educacional, 1999.

SCANDIUZZI, P. P. Educação Indígena X Educação Escolar Indígena – uma relação etnocida em uma pesquisa etnomatemática. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

SEVERINO-FILHO, João. MARCADORES DE TEMPO APYÃWA – a solidariedade entre os povos e o ambiente que habitam. Rio Claro – SP. IGCE – Educação Matemática, 2015 (Tese de Doutorado).

SILVA, Adailton Alves da. Os Artefatos e Mentefatos nos Ritos e Cerimônias do Danhono: por dentro do octógono sociocultural A’uwẽ/Xavante. Rio Claro – SP. IGCE – Educação Matemática, 2013 (Tese de Doutorado).

SILVA, Aracy Lopes da. Nomes e Amigos: da prática Xavante a uma reflexão sobre os Jê. São Paulo: FFLCH – USP, 1986.

Publicado
2017-08-08