A trajetória de inclusão de um estudante cego em um curso de licenciatura: estratégias pedagógicas, a linguagem Matemática e seus desafios

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Sandro Salles Gonçalves http://orcid.org/0000-0002-8410-9796

Resumo

Neste artigo pretendemos retratar e discutir parte da trajetória de inclusão de um estudante cego em um curso de Licenciatura em Matemática estabelecendo um diálogo entre o processo de aprendizagem de conceitos de Cálculo Diferencial e Integral, algumas das práticas pedagógicas adotadas durante o percurso e as dificuldades oriundas da linguagem matemática para esses estudantes. Apresentamos as vozes dos atores envolvidos: o estudante e o pesquisador. Analisaremos ainda as estratégias empregadas por este estudante para internalizar os conceitos envolvidos bem como os objetos utilizados para a realização da tarefa. Em particular, destacaremos neste artigo o conceito de função derivada dentre alguns conceitos estudados por ele. O estudo cujo recorte da nossa dissertação de mestrado retratamos aqui tem por perspectiva a visão sócio histórico e cultural de Vygotsky. Esse autor destaca que um estudante cego tem o mesmo potencial que os estudantes videntes para apropriação de conceitos desde que sua “visualização” seja estimulada por meio de materiais manipuláveis para trabalhar outros sentidos. A pesquisa, de abordagem qualitativa, teve como instrumento de coleta de dados a observação realizada por meio de filmagens das aulas e dos encontros particulares e de apontamentos realizados durante o decorrer das aulas e de encontros particulares realizados junto com o estudante. Dentre os resultados da pesquisa, retratamos a importância que a confecção destes materiais trouxe para a aprendizagem dos conceitos envolvidos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Palavras-chave
Abordagem histórico-cultural; Educação Matemática Inclusiva, Ensino de Cálculo.