A mobilização de saberes docentes no estágio supervisionado: contribuições na/para a formação de futuras professoras de Matemática

  • Jessica Mistura Zanon Instituto Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Formação inicial do professor de Matemática. Estágio supervisionado. Saberes docentes.

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo compreender as contribuições do estágio supervisionado para a formação do futuro professor de Matemática. Uma pesquisa de abordagem qualitativa, fundamentada em estudos sobre a formação inicial, a aprendizagem da docência, o estágio supervisionado e a formação matemática do professor. Foi realizada em uma universidade pública do sul Bahia e teve como participantes três alunas/estagiárias, três professoras de Matemática – supervisoras do estágio nas escolas campo e duas professoras que lecionaram as disciplinas Estágio Supervisionado II e III na universidade. Os instrumentos para produção do material empírico foram a análise do Projeto Acadêmico Curricular (BAHIA, 2006) do curso de licenciatura em Matemática; observações durante as aulas de Estágio Supervisionado II e III na universidade; observações durante a realização das atividades de estágio (oficina e regência) nas escolas campo de estágio; e entrevistas com: coordenador do curso, três alunas/estagiárias; duas professoras da disciplina Estágio Supervisionado II e III e as professoras de Matemática supervisoras nas escolas campo do estágio. Diante do material empírico localizado e produzido, os dados foram analisados e organizados em três categorias: a mobilização dos saberes docentes durante o estágio supervisionado; a articulação entre universidade, escola da educação básica e aluna/estagiária e as contribuições do estagio supervisionado para a formação inicial do professor de Matemática. Os resultados obtidos indicaram que as alunas/estagiárias mobilizaram uma variedade de saberes docentes. Contudo, cada uma vivenciou uma realidade diferente tendo aprendizagens singulares. Entre os saberes mobilizados, destacamos: o disciplinar (Matemática); o pedagógico; o conhecimento sobre os alunos e aqueles adquiridos a partir da experiência com as professoras da universidade e das escolas. No que diz respeito à articulação universidade – escola, constatamos que ainda não acontece, durante o desenvolvimento dos Estágios Supervisionados II e III. Por fim, para cada aluna/estagiária o estágio supervisionado contribuiu de forma diferenciada, pois, além das realidades distintas, as experiências docentes anteriores eram diferentes, o que também contribuiu para a formação docente nos seguintes fatores: a relação/troca de experiências com as professoras, da universidade e das escolas; a oportunidade de aprenderem a ensinar e se tornarem professoras; momentos de reflexão e ressignificação dos saberes docentes e mudanças na prática que evidenciaram um desenvolvimento profissional. Entretanto, destacaram-se algumas barreiras que representam o distanciamento entre a teoria e a prática, principalmente em relação ao saber disciplinar (Matemática) estudado na universidade e o ensinado na escola, o que permitiu inferir sobre a necessidade de repensar o projeto do curso e as propostas de formação do professor de Matemática.

Referências

ALMOULOUD, S. A. Prova e demonstração em Matemática: problemática de seus
processos de ensino e aprendizagem. Anais... 30a Reunião Anual da ANPEd,
Caxambú – MG, GT 19 – Educação Matemática, 2007. Disponível em:
http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt19-2957-int.pdf. Acesso em: 06 jun.
2017.
ANDERSON, G.; HERR, K. The New paradigm wars: is there room for rigorous
practitioner knowledge in schools and universities? Educational Researcher, v. 28,
n. 5, p.12-40, jun./jul. 1999.
BAHIA. Projeto Acadêmico Curricular: Curso de licenciatura em Matemática.
2006.
BAHIA. Resolução CONSEPE no 016/2008.
BARREIRO, I. M. de F.; GEBRAN, R. A. Prática de Ensino e Estágio
Supervisionado na Formação de Professores. São Paulo: Avercamp, 2006.
BRANCO, E. C. C. A importância das deduções das fórmulas trigonométricas
para a construção de uma aprendizagem significativa. 87f. Dissertação
(Mestrado Profissonal em Matemática) – Universidade Federal do Maranhão. São
Luís: UFMA, 2013.
BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da
Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação
plena. Parecer CNE/CP 002/2015. Brasília, 1o de julho de 2015.
__________. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática,
Bacharelado e Licenciatura. Parecer CNE/CES 1.302/2001. Brasília, 6 de
novembro de 2001.
__________. Lei no 11.788. Brasília, 25 de setembro de 2008.
__________, Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental.
Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental – Matemática, v.3.
Brasília: MEC, 1997.
__________. Parecer CNE/CES no 15. Brasília, 2 de fevereiro de 2005.
__________. Parecer CAPES no 46. Brasília, 11 de abril de 2016.
__________. Resolução CNE/CP no 02. Brasília, 04 de março de 2002.
CARNEIRO, R. F. Narrativas no Estágio Supervisionado em Matemática como uma
possibilidade para discussão da profissão docente. Anais... 37a Reunião Anual da
ANPEd, Florianópolis – SC, GT 19 – Educação Matemática, 2015. Disponível em:
http://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt19-3788.pdf. Acesso em: 08 set.
2015.
COUTO, M. E. S.; MEIRELES, A. M. B; SANTANA, J. A. de. Estágio
Supervisionado I. 1a ed. Ilhéus-BA: Editus, 2012.
DAUANNY, E. B. Contribuições da Didática e do Estágio para a Construção da
Identidade Docente nos Cursos de Licenciatura da Universidade de São Paulo.
Anais... XVI Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino (ENDIPE).
Campinas – SP, 2012. Disponível em: http://www.infoteca.inf.br/endipe/smarty/
templates/arquivos_template/upload_arquivos/acervo/docs/1430p.pdf. Acesso em:
08 set. 2015.
D'AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação Matemática: da teoria à prática. 17a Edição,
Campinas/SP: Papirus, 2009.
D'AMBROSIO, B. S. Formação de Professores de Matemática para o Século XXI: O
Grande Desafio. Pro-Posições, São Paulo, vol. 4, n. 1, março. 1993. Disponível em:
http:// www.proposicoes.fe.unicamp.br/.../10-artigos-d%5C'ambrosiobs.pdf. Acesso
em: 23 abr. 2015.
DINIZ-PEREIRA, J. E. A pesquisa dos educadores como estratégia para construção
de modelos críticos de formação docente. In: PEREIRA, J. E. D.; ZEICHNER, K. M.
A pesquisa na formação e no trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
p. 11-42.
DINIZ-PEREIRA, J. E. Formação de Professores: pesquisas, representações e
poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.
FORMOSINHO, J. A formação prática de professores. Da prática docente na
instituição de formação à prática pedagógica nas escolas. In: FORMOSINHO, J.
(Cord.). Formação de professores: aprendizagem profissional e ação docente.
Porto: Porto Editora, 2009. p. 93-117.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 8a
ed, São Paulo: Paz e Terra, 1998.
GONÇALVES JUNIOR, M. A.; CARVALHO, D. L. de. Perscrutando Diários de Aulas
e Produzindo Narrativas sobre a Disciplina Estágio Supervisionado de um Curso de
Licenciatura em Matemática. Bolema. Rio Claro (SP),v. 28, n. 49, 2014. Disponível
em: http://dx.doi.org/10.1590/1980-4415v28n49a16. Acesso em 08 set. 2015.
GUIMARÃES, H. M. Perspectivas sobre o conhecimento do professor. Revista
Diálogo Educacional, Curitiba, vol. 8, n. 25, set./dez. 2008. p. 819-839. Disponível
em: www2.pucpr.br/reol/index.php/dialogo?dd99=pdf&dd1=2449. Acesso em: 19 jul.
2016.
HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org).
Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto, 1995.
IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional. 4a ed. São Paulo: Cortez, 2004.
IMBERNÓN, F. Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a
incerteza. São Paulo: Cortez, 2011.
KNOWLES, J. G.; COLE, A. L.; PRESSWOOD, C. S. Through preservice teachers’
eyes: experiences through narrative and inquiry. New York, McMillan College
Publishing Co, 1994.
LIMA, M. S. L.; GARCIA, Z. F. O professor e o trabalho coletivo. In: LIMA, M. S. L. A
hora da prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e a ação docente. 3a ed.
Fortaleza, CE: Edições Demócrito Rocha, 2003. p. 40-44.
LÜBECK, K. R. M.; SOUZA, J. R. Pesquisa em Matemática e em Educação
Matemática: desafios para uma “nova” Educação a partir de diferentes pontos de
vista. Educação Matemática em Revista-RS. Rio Grande do Sul (RS), v. 1, n. 13,
2012. p. 17-23. Disponível em: http://www.sbemrs.org/revista/index.php/2011_1/
article/view/45. Acesso em: 22 fev. 2017.
LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas.
São Paulo: E.P.U, 1986.
MARCELO GARCIA, C. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro.
Revista de Ciência da Educação, n. 8, p. 7-22, 2009. Disponível em:
http://www.unitau.br/files/arquivos/category_1/MARCELO___Desenvolvimento_Profi
ssional_Docente_passado_e_futuro_1386180263.pdf. Acesso em 19 out. 2016.
MARCELO GARCIA, C. Formação de Professores: para uma mudança educativa.
1a ed. Porto - Portugal: Porto Editora, 1999.
MARCELO GARCIA, C. Pensamientos pedagógicos y toma de decisiones. Un
estudio sobre la planificación de la enseñanza y decisiones didácticas de profesores
de E. G. B. In: ÂNGULO, L. M. V. Conocimiento, creencias y teorías de los
profesores. Alcoy – España: Editorial Marfil, S. A., 1988, p. 277 - 299.
MARCONDES, I. M. Formação de professores e trabalho docente no Brasil:
contexto, questões e desafios na atualidade. In: FLORES, M. A. (Org.). Formação e
Desenvolvimento profissional de Professores: contributos
Internacionais.Portugal: Almedina, 2014. p. 153-170.
MIZUKAMI, M. G. Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S.
Shulman. Revista Educação, Santa Maria, v. 29, n. 2, p. 33-49, 2004. Disponível
em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/3838/2204. Acesso em: 15
dez. 2016.
MIZUKAMI, M. das G. N. Aprendizagem da docência: conhecimento específico,
contexto e práticas pedagógicas. In: NACARATO, A. M.; PAIVA, M. A. V. (Org.). A
formação do professor que ensina matemática: perspectivas e pesquisas. Belo
Horizonte: Autêntica, 2006. p. 213-231.
MOREIRA, P. C. Formação Matemática do professor da Escola Básica: qual
Matemática? Anais... XV Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino
(ENDIPE). Belo Horizonte - MG, 2010.
MORORÓ, L, P.; COUTO, M. E. S. A Construção do Conhecimento Profissional
Docente. In: EUGÊNIO, B. G.; SANT‟ANA C. de C.; COSTA, J. S. Políticas
educacionais, Práticas Pedagógicas e Formação. Campinas, SP: Editora Alínea,
2013. p. 205-227.
MOURA, M. O. de. Educar con las matemáticas: saber específico y saber
pedagógico. Revista Educación y Pedagogía, Medellín, Universidad de Antioquia,
Facultad de Educación, vol. 23, núm. 59, enero-abril, 2011, pp. 47-57.
OLLAIK, L. G.; ZILLER, H. M. Concepções de validade em pesquisas qualitativas.
Educação e Pesquisa, São Paulo, vol. 38, n. 1. 2012. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/ep/v38n1/ep448.pdf. Acesso em: 27 dez. 2016.
PASSERINI, G. A. O estágio supervisionado na formação inicial de professores
de matemática na ótica de estudantes do curso de licenciatura em matemática
da UEL. 121f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação
Matemática) – Universidade Estadual de Londrina. Londrina: UEL, 2007.
PEREIRA, P. S. A Práxis e a Formação do Professor de Matemática. In: EUGÊNIO,
B. G.; SANT‟ANA C. de C.; COSTA, J. S. Políticas educacionais, Práticas
Pedagógicas e Formação. Campinas, SP: Editora Alínea, 2013. p. 141-164.
PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 6a ed. São Paulo: Cortez,
2010.
PIMENTA, S. G . O pedagogo na escola pública. 3a. ed. São Paulo: Loyola, 1995.
v. 1. p.74.
PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática?
9a ed., São Paulo: Cortez, 2010.
PIRES, M. A. L. M. Estágio curricular supervisionado: uma análise dos cursos de
licenciatura em matemática. In: SANT‟ANA, C. de C.; SANTANA, I. P.; EUGÊNIO, B.
G. (Org.). Estágio Supervisionado, Formação e Desenvolvimento Profissional
Docente. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012. p. 97-121.
PONTE, J. P. Formação do professor de Matemática: perspectivas atuais. Lisboa,
2013. Disponível em: repositorio.ul.pt/bitstream/10451/15310/1/P3M.pdf. Acesso em:
09 nov. 2015.
PONTE, J. P. Investigar, ensinar e aprender. In: Atas do ProfMat. Santarém:
Associação de Professores de Matemática. 2003, p. 25-39. Disponível em:
http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/docs-pt/03-Ponte(Profmat).pdf. Acesso em:
06 fev. 2017.
PONTE, J. P., SILVESTRE, A. I., GARCIA, C; Costa, S. O desenvolvimento do
conceito de proporcionalidade direta pela exploração de regularidades. Tarefas
para o 1.o e o 2.o ciclos do Ensino Básico. Materiais de apoio ao professor. Projeto
IMLNA - Promover a aprendizagem matemática em números e álgebra. Lisboa: IE e
UBI, 2010.
RIBEIRO, F. D.; MOURA, M. O. de. Aprendizagem Docente na Formação Inicial de
Professores de Matemática: Contribuições da Teoria da Atividade. Anais... XI
Encontro Nacional de Educação Matemática (ENEM). Curitiba – PR, 2013.
Disponível em: http://sbem.web1471.kinghost.net/anais/XIENEM/pdf/3016_1743
_ID.pdf. Acesso em: 12 abr. 2017.
SANTOS, R. de C. G. dos. O Estágio Curricular Supervisionado como espaço-tempo
de constituição docente a partir da parceria entre Universidade e Escola. Anais...
XVI Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino (ENDIPE). Campinas – SP,
2012. Disponível em:
http://www.infoteca.inf.br/endipe/smarty/templates/arquivos_template/upload_arquivo
s/acervo/docs/3457b.pdf. Acesso em: 07 mar. 2017.
SBEM. Subsídios para a Discussão de Propostas para os Cursos de
Licenciatura em Matemática: Uma contribuição da Sociedade Brasileira de
Educação Matemática. São Paulo, 2003, 43p.
SILVA, M. M. da; CEDRO, W. L. Estágio Supervisionado e Planejamento
Compartilhado: Possibilidades da Organização do Ensino de Professores de
Matemática em Formação. Revista Educação Matemática Pesquisa. São Paulo, v.
17, n. 2, 2015, p. 190 – 215. Disponível em:
https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/20528. Acesso em 22 out. 2015.
SOUZA, J. R. de; PATARO, P. R. M. Vontade de saber Matemática: 9o ano. 2a ed.
São Paulo: FTD, 2012.
TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.
TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários:
Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas
conseqüências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de
Educação. jan./abr., n.13, 2000.
TEIXEIRA, R. B.; CYRINO, M. C. de C. T. Desenvolvimento da Identidade
Profissional de Futuros Professores de Matemática no Âmbito da Orientação de
Estágio. Bolema. Rio Claro (SP), v. 29, n. 52, 2015, p. 658-680. Disponível em:
http://dx.doi.org/10.1590/1980-4415v29n52a12. Acesso em 22 out. 2015.
VARIZO, Z. da C. M. Os caminhos da didática e sua relação com a formação de
professores de matemática. In: NACARATO, A. M.; PAIVA, M. A. V. (Org.). A
formação do professor que ensina matemática: perspectivas e pesquisas. Belo
Horizonte: Autêntica, 2006. p. 43-59.
VÁSQUEZ, A. S. Filosofia da Práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.
Publicado
2018-12-17