Desempenho de estudantes baianos nas estruturas multiplicativas: uma visão quantitativa dos fatos

  • Sandra Maria Pinto Magina UESC
  • Sônia Pereira da Fonseca
Palavras-chave: Ensino de Matemática

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar os principais resultados quantitativos dos 4076 estudantes participantes do projeto de pesquisa intitulado “As estruturas multiplicativas e a formação de professores que ensinam matemática na Bahia” (FAPESB PES0019/2013) ao resolverem 14 situações-problema de um instrumento diagnóstico. Esses estudantes são advindos de oito cidades baianas distintas, a saber: Ilhéus, Itabuna, Jequié, Vitória da Conquista, Amargosa, Feira de Santana, Salvador e Senhor do Bonfim. As situações-problema foram todas construídas a partir de uma releitura do Campo Conceitual Multiplicativo (VERGNAUD 1983, 1994) proposta por Magina e Cols. (2014, 2016). Os resultados apontam para uma grande fragilidade desses estudantes nos conceitos das estruturas multiplicativas e sugere que sejam adotadas políticas públicas, estaduais e municipais, na direção de ampliar a formação dos conceitos pertencentes às estruturas multiplicativas dos estudantes baianos.

Referências

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1997.
______. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.
GITIRANA, V.; CAMPOS, T.; MAGINA, S.; SPINILLO, A. Repensando Multiplicação e Divisão: Contribuições da Teoria dos Campos Conceituais. São Paulo: PROEM, 2014.
MAGINA, S. (Re)significar as estruturas multiplicativas a partir da formação ‘ação-reflexão-planejamento-ação’ do professor. Projeto de Pesquisa. Brasília: CNPq. 2008.
__________. A Teoria dos Campos Conceituais: contribuições da Psicologia para a prática docente. Educar Em Revista. Curitiba, 2011.
__________. As estruturas multiplicativas e a formação de professores que ensinam matemática na Bahia. Projeto de Pesquisa. Salvador: FAPESB: 2013
MAGINA, S; SANTANA, E. A incongruência entre as palavras do enunciado do problema e a operação usada para resovê-lo: uma contribuição para o debate. In Conferência Iberoamericana de Educacion Matemática – XIV CIAEM: Mexico, Chiapas, p. 1-11, 2015
MAGINA, Sandra, SANTOS, Aparecido, MERLINI, Vera. O raciocínio de Estudantes do ensino fundamental na resolução de situações das estruturas multiplicativas. Ciência & Educação, Bauru, v. 20, No 2, 2014, p. 517-533.
_________. A estrutura multiplicativa à luz da teoria dos campos conceituais: uma visão com foco na aprendizagem. In Castro Filho, Jose; Barreto, Marcília; Barguil, Paulo; Maia, Dennys; Pinheiro Joserlene (Eds.) Matemática, Cultura e Tecnologia: perspectivas internacionais. Curitiba: CRV, p. 65-82, 2016.
RUDIO, F. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. Petrópolis: Vozes, 32ª ed, 2001.
SANTANA, E; LAUTERT, S; CASTRO FILHO, J (Org.). Ensinando multiplicação e divisão: 4º e 5º anos. Itabuna, BA: Via Litterarum, 2017.
SOUZA, E; MAGINA, S. A Concepção de Professor do Ensino Fundamental sobre Estruturas Multiplicativas. Perspectiva da Educação Matemática, UFMT: Campo Grande, pp.816-833, 2017
VERGNAUD, G. Multiplicative structures. In: LESH, R.; LANDAU M. (Eds.). Acquisitions of mathematics concepts and procedures. New York: Academic Press, pp.127-174, 1983.
______. Multiplicative structures. In: HIEBERT, H.; BEHR, M. (Ed.). Research Agenda in Mathematics Education. Number Concepts and Operations in the Middle Grades. Hillsdale, N.J.: Lawrence Erlbaum, p. 141-161, 1988.
______. La théorie des champs conceptuels. Recherches en Didactique des Mathématiques. Grenoble, v. 10, n. 23, p. 133-170, 1990.
______. Multiplicative conceptual field: what and why? In: GUERSHON, H.; CONFREY, J. (Eds.). The development of multiplicative reasoning in the learning of mathematics. Albany, N.Y.: State University of New York Press, p. 41-59, 1994.
______. A criança, a Matemática e a Realidade: problemas do ensino da matemática na escolar elementar. trad. Maria Lucia Moro. Curitiba: ed. UFPR, 2009
Publicado
2018-12-17