As estratégias de resolução dos estudantes de 1º ano em situações de proporção simples

  • Vera Lucia Merlini UESC
  • Antonio César Nascimento Teixeira
Palavras-chave: Educação, Matemática

Resumo

O objetivo deste artigo é objetivo analisar o desempenho dos estudantes do 1º ano da Bahia e categorizamos as estratégias de resolução adotadas pelos estudantes que levaram ao acerto do núcleo da Universidade Estadual de Santa Cruz-UESC, ao resolverem uma situação de proporção simples, da classe um para muitos, cuja operação mais indicada é a multiplicação. Esse estudo é um recorte de dois projetos que se complementam, são eles: Um estudo sobre o domínio das estruturas multiplicativas no Ensino Fundamental” (E-Mult)[1] e As Estruturas Multiplicativas e a formação de professores que ensinam Matemática na Bahia (PEM)[2]. Os dados foram coletados em escolas públicas de cinco regiões distintas do estado da Bahia, totalizando 162 estudantes do 1º ano de. A situação de proporção simples analisada consta em um teste diagnóstico que continha ao todo 14 situações relativas à Estrutura Multiplicativa, fundamentadas na Teoria do Campo Conceitual Multiplicativo de Vergnaud. Para efeito desse artigo serão analisados o desempenho dos estudantes das cinco regiões da Bahia e as estratégias de resolução dessa situação dos estudantes de uma região. Concluímos que mesmo estudantes do 1º ano do Ensino Fundamental que ainda não tiveram contato formalmente com situações da estrutura multiplicativa, demonstraram possuir noções matemáticas, pois ao utilizar a representação icônica como estratégia de resolução, eles conseguiram solucionar situações das estruturas multiplicativas.     [1] Projeto de número 15.727 do Programa Observatório da Educação (OBEDUC) financiado pela CAPES [2] Projeto de número PES0019/2013 financiado pela FAPESB

Referências

BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. 1ª a 4ª série. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1997.
BRASIL, Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. 2017
CARRAHER, T.; CARRAHER, D.; SCHLIEMANN, A. Na vida dez, na escola zero. São Paulo: Cortez, 1988.
GITIRANA, V. et al. Repensando multiplicação e divisão: contribuições da teoria dos campos conceituais. São Paulo: PROEM, 2013.
MAGINA, S.; SANTOS, A.; MERLINI, V. Quando e Como devemos introduzir a divisão nas séries Iniciais do Ensino Fundamental? Contribuição para o debate. Em Teia Revista de Educação Matemática e tecnológica Iberoamericana, Recife, v. 1, n. 1, p. 1 – 23, 2010.
________. O raciocínio de estudantes do Ensino Fundamental na resolução de situações das Estruturas Multiplicativas. Ciência & Educação, Bauru, v. 20, n. 2, p. 517-533, 2014.
NUNES, T. Crianças fazendo Matemática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
NUNES, T.; CAMPOS, T.; MAGINA, S.; BRYANT, P. Educação matemática: números e operações numéricas. São Paulo: Cortez, 2005
PIAGET, J.; SZEMINSKA, A. A gênese do número na criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
PIAGET, J. Biologia e conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1996
RUDIO, F. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 29 ed. Petrópolis: Vozes. 2001.
SANTOS, A. Formação de Professores e as estruturas multiplicativas: reflexões teóricas e práticas. Curitiba: Appris, 2015. p. 314.
VERGNAUD, G. La Théorie dês champs conceptuals. Recherches em Didactique dês Mathématiques, Grenoble, 1990.
______. A teoria dos campos conceituais. In: BRUN J. (Ed.). Didáctica das Matemáticas. (Maria José Figueiredo, trad.). Lisboa: Instituto Piaget, 1996. p. 155-191.
______. A criança, a matemática e a realidade: problemas do ensino de matemática na escola elementar. (Maria Lucia Faria Moro, trad.). Curitiba: Ed. da UFPR, 2009.
Publicado
2018-12-17