Contribuições de um Grupo Colaborativo no Desenvolvimento Profissional de professores da infância

Palavras-chave: Educação Matemática, Grupos Colaborativos, Desenvolvimento Profissional

Resumo

Este artigo é resultado de uma pesquisa sobre o desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática na Educação Infantil e participam de um grupo de estudos em Educação Matemática com características colaborativas. O objetivo foi analisar indícios de desenvolvimento profissional que tal participação proporciona aos docentes experientes e aos que estão em início de carreira. O enquadramento metodológico e os procedimentos de análise estão ancorados na pesquisa narrativa, entendida como uma forma de compreender a experiência e apresentá-la ao leitor. O corpus de análise foi constituído por transcrições de excertos das videogravações dos encontros, diferentes textos produzidos pelos professores e pela transcrição de entrevista com duas participantes. O texto de pesquisa foi elaborado de modo narrativo e diz respeito ao desenvolvimento profissional de duas professoras, uma experiente e outra iniciante, focando especialmente no que se refere às interferências e convergências observadas nas interações entre essas docentes no grupo de estudos. A análise do material empírico e das interlocuções com as professoras permitiu depreender que o contexto colaborativo se configurou como um ambiente de problematização e desnaturalização de algumas práticas e apoio às mudanças que reverberaram nas escolas de atuação das respectivas professoras, contribuindo para seu desenvolvimento profissional. Foi possível constatar que a interlocução com pessoas com diferentes saberes e excedentes de visão, em distintos momentos da carreira profissional, propicia uma condição favorável para o desenvolvimento profissional do professor que ensina matemática na Educação Infantil.

Referências

ALMEIDA, Alessandra Rodrigues; MEGID, Maria Auxiliadora Bueno Andrade. REVERBERAÇÕES DE APRENDIZAGENS SOBRE MEDIDAS NA PRÁTICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 24, n. esp., p. 106-122, 2018.

AZEVEDO, Priscila Domingues de. Narrativas de práticas pedagógicas de professoras que ensinam matemática na educação infantil. Bolema: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, v. 28, n. 49, p. 857-874, 2014.

CLANDININ, D. Jean; CONNELLY, F. Michael. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILLE/UFU, Uberlândia: EDUFU, 2011.

COCHRAN-SMITH, Marilyn. A tale of two teachers: Learning to teach over time. Kappa Delta Pi Record, Indianapolis, v. 48, n. 3, p. 108-122, 2012.

COCHRAN-SMITH, Marilyn; LYTLE, Susan. L. Relationships of knowledge of practice: teacher learning in communities. In. A. Iran-Nejad and C. D. Pearson (Eds.), Review of Research in Education, Washington, DC: AERA, n. 24, p. 249-305, 1999. Tradução para uso do Grupo Prática Pedagógica em Matemática (PRAPEM).

CRECCI, Vanessa Moreira; FIORENTINI, Dario. Reverberações da aprendizagem de professores de matemática em uma comunidade fronteiriça entre universidade-escola. Educar em Revista, Curitiba, v. 34, n. 70, p. 273-292, 2018.

DAY, Christopher. Formar docentes: cómo, cuándo y en qué condiciones aprende el professorado. Madrid: Narcea Ediciones, 2005.

FIORENTINI, Dario. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (Org.). Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 49-79.

FIORENTINI, Dario. A investigação em Educação Matemática desde a perspectiva acadêmica e profissional: desafios e possibilidades de aproximação. Cuadernos de Investigación y Formación en Educación Matemática, Costa Rica, año 8, n. 11, p. 61-82, 2013a.

FIORENTINI, Dario. Learning and professional development of the mathematics teacher in research communities. Sisyphus-Journal of Education, Lisboa, v. 1, n. 3, p. 152-181, 2013b.

FIORENTINI, Dario; CRECCI, Vanessa. Desenvolvimento profissional docente: um termo guarda-chuva ou um novo sentido à formação? Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, Belo Horizonte, v. 05, n. 08, p. 11-23, jan./jun. 2013.

GATTI, Bernadete. Angelina. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, 2010.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Tradução: Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HARGREAVES, Andy. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura na Idade Pós-Moderna. Lisboa: Editora McGraw-Hill de Portugal, 1998.

JIMÉNEZ-ESPINOSA, Alfonso. Quando professores de Matemática da escola e da universidade se encontram: re-significação e reciprocidade de saberes. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação. Unicamp, Campinas-SP, 2002

LOSANO, A. L. Aprendizagem e desenvolvimento profissional de professores iniciantes que participam de comunidades investigativas. Zetetike, Campinas, SP, v. 26, n. 3, 2018.

LORENZATO, Sérgio. Educação infantil e percepção matemática. Campinas (SP): Autores Associados, 2006.

MARTINS, Edilaine Rodrigues; TORTELLA, Jussara; GRANDO, Regina Célia. Aprendizagem docente: o papel do grupo de trabalho colaborativo no ensino de Matemática na Educação Infantil. Horizontes, Itatiba, v. 28, n. 1, p. 121, 2010.

MELLO, Suely Amaral. Infância e humanização: algumas considerações na perspectiva histórico-cultural. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 1, 57-82, jan./jun. 2007.

PONTE, João Pedro da. Pesquisar para compreender e transformar a nossa própria prática. Educar em Revista, Curitiba, n. 24, p. 37-66, 2004.

SENNA, Alexsandra Miranda. Possibilidades pedagógicas com Geometria nos anos iniciais. Revista Eletrônica Sala de Aula em Foco, Vitória, v. 3, n. 1, 2014

Publicado
2021-05-01
Como Citar
de Almeida, A., & Megid, M. A. (2021). Contribuições de um Grupo Colaborativo no Desenvolvimento Profissional de professores da infância. Com a Palavra, O Professor, 6(14), 271-291. https://doi.org/10.23864/cpp.v6i14.672