Formação continuada em contexto colaborativo: discutindo questões inerentes a Early Algebra

Palavras-chave: Formação continuada, Early Algebra, Anos Iniciais

Resumo

Neste artigo, nosso objetivo foi analisar as implicações que uma formação continuada, com viés colaborativo, baseada na metodologia Reflexão, Planejamento, Ação, Reflexão (RePARe), traz para um grupo de professoras que ensinam Matemática nos anos iniciais, sobre o conceito de padrão em sequência, no âmbito da Early Algebra. Como aporte teórico, esta pesquisa contou com a Teoria dos Códigos de Basil Bernstein e a revisão de literatura no âmbito da Early Algebra. Metodologicamente a pesquisa insere-se em uma abordagem qualitativa, sendo que os dados foram coletados no contexto de um curso de extensão, baseado num modelo Híbrido, envolvendo quatro professoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Os resultados indicam que as experiências compartilhadas neste contexto colaborativo, juntamente com a fundamentação teórica, oportunizaram a mobilização de diferentes conhecimentos e ressignificações acerca do trabalho com padrão em sequências nos anos iniciais. Apontaram, ainda, que, ao final da formação, as professoras apresentaram uma postura crítica perante a realização e o desenvolvimento de tarefas com potencial algébrico.   

Referências

BECK, V. C.; SILVA, J. A. da. Invariantes Operatórios de Equilíbrio Algébrico Presentes nas Estratégias de Estudantes do 3º Ano do Ensino Fundamental. Bolema (Rio Claro), v. 33, p. 1424-1443, 2019. https://doi.org/10.1590/1980-4415v33n65a21

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Vozes: Petrópolis, 1996.

BERNSTEIN, B. Pedagogía, control simbólico e identidad: teorias, investigacíon y crítica. Por Basil Bernstein; traduccuión de Pablo Manzano; revisión de Basil Bernstein, Juia Varela. São Paulo: Cortez; Madrid, España: Ediciones Morata, 2017.

BERNSTEIN, B. Pedagogy, symbolic control and identity: theory research Critique. Revised Edition. London: Taylor and Francis, 2000.

BLANTON, M.; SCHIFTER, D.; INGE, V.; LOFGREN, P.; WILLIS, C.; DAVIS, F.; CONFREY, J. Early algebra. In: KATZ. V. J. Algebra: Gateway to a Technological Future. The Mathematical Association of America: EUA, 2007, p.7-14

BLANTON, M.; STEPHENS, A.; KNUTH, E.; GARDINER, A. M.; ISLER, I.; KIM, J.-S. The development of children's algebraic thinking: the impact of a comprehensive early algebra intervention in third grade. Journal for Research in Mathematics Education, v. 46, n.1, p. 39-87, 2015.

https://doi.org/10.5951/jresematheduc.46.1.0039

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEF, 2017. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf >. Acesso em: 20 de ago. de 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEF, 2018. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf >. Acesso em: 20 de ago. de 2020.

BRASIL. Elementos Conceituais e Metodológicos para os Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento do Ciclo de Alfabetização (1º, 2º e 3º anos) do Ensino Fundamental. Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica, Brasília, 2012. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=12827-texto-referencia-consulta-publica-2013-cne-pdf&category_slug=marco-2013-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 20 de ago. de 2020.

CANAVARRO, A. P. O pensamento algébrico na aprendizagem da Matemática nos primeiros anos. Quadrante, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 81-118, 2007. Disponível em: https://quadrante.apm.pt/index.php/quadrante/article/view/174. Acesso em: 12 de ago. de 2020.

CARRAHER, D.; SCHLIEMANN, A.; BRIZUELA, B. Arithmetic and Algebra in early Mathematics Education. Journal for Research in Mathematics Education, Vol 7, 2006. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/298917525_Arithmetic_and_algebra_in_early_mathematics_education. Acesso em: 12 de ago. de 2020.

CARRAHER, D. W.; SCHLIEMANN, A. D.; SCHWARTZ, J. Álgebra inicial não é a mesma como álgebra cedo. Em KAPUT, J; CARRAHER, D .; BLANTON, M. (orgs.), Álgebra no Primeiras notas. Mahwah, NJ, Erlbaum, pp. 235-272, 2008.

CURI, E. Reflexões sobre um projeto de pesquisa que envolve grupos colaborativos e a metodologia lesson study. In.: CURI, Edda; NASCIMENTO, Julia de C. P. do; VECE, Janaina P. (orgs). Grupos colaborativos e lesson study: contribuições para a melhoria do ensino de matemática e desenvolvimento profissional de professores. Alexa Cultural: São Paulo, 2018.

FREIRE, R. S. Desenvolvimento de conceitos algébricos por professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental. 180 p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3304. Acesso em: 12 de ago. de 2020.

FERREIRA, A. C. O trabalho colaborativo como ferramenta e contexto para o desenvolvimento profissional: compartilhando experiências. In: NACARATO, A. M.; PAIVA, M. A. V. (Org.). A formação do professor que ensina Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. p. 149-166.

FIORENTINI, D. Desenvolvimento profissional e comunidades investigativas. In: DALBEN, Â.; DINIZ, J.; LEAL, L.; SANTOS, L. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: Educação ambiental – Educação em ciências – Educação em espaços não escolares – Educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 570-590.

IMENES, L. M.; LELLIS, M. Microdicionário de Matemática. São Paulo: Scipione, 1998.

KIERAN, C. Duas abordagens diferentes entre os principiantes em álgebra. In: COXFORD, A. F.; SHULTLE, A. P. As idéias da álgebra. Trad. Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, 1995. p. 104 – 110.

LINS, R. C.; GIMENEZ, J. Perspectivas em Aritmética e Álgebra para o Século XXI. Campinas: Papiros, 1997. (Coleção Perspectivas em Educação Matemática).

LUNA, A.V.A.; MERLINI, V.; SILVA; V.N. Uma reflexão de textos elaborados por professoras da educação infantil sobre Early Algebra. EM TEIA – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana – vol. 3 – n. 12 – 2020. Disponível em:

https://periodicos.ufpe.br/revistas/emteia/article/view/247380/pdf. Acessado em: 5 de nov. de 2020

MAGINA, Sandra. (Re)significação das Estruturas Multiplicativas. Projeto de Pesquisa. CNPq: Edital Universal, 2008.

MAGINA, S. M. P.; SANTANA, E. R. dos S.; SANTOS, A. dos; MERLINI, V. L. Espiral RePARe: um modelo metodológico de formação de professor centrado na sala de aula. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 238-258, 2018. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/6812. Acesso em: 10 ago. 2020.

MORAIS, A. M; NEVES, P. N. A Teoria De Basil Bernstein: alguns aspectos fundamentais. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v.2.n.2.p.115 -130, jul –dez.2007 Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/313/321. Acesso em: 10 ago. 2020.

NATIONAL COUNCIL OF TEACHERS OF MATHEMATICS (Ed.). Princípios e Normas para a Matemática Escolar. National Council of Teachers of Mathematics, 2000.

PONTE, J. P; BRANCO, N.; MATOS, A. Álgebra no Ensino Básico. Lisboa: ME – DGIDC, 2009.

Publicado
2021-05-01
Como Citar
Almeida de Souza, A., & de Almeida Luna, A. (2021). Formação continuada em contexto colaborativo: discutindo questões inerentes a Early Algebra. Com a Palavra, O Professor, 6(14), 292-315. https://doi.org/10.23864/cpp.v6i14.673