O desempenho de estudantes do 5º e 9º anos frente a situações de proporção simples: uma análise comparativa

  • Antonio César Nascimento Teixeira Escola Carrossl
  • Deusdete Luiz da Silva Filho
  • Vera Lucia Merlini
Palavras-chave: Ensino de Matemática

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar comparativamente o desempenho dos estudantes do 5º e 9º anos do Ensino Fundamental ao resolver três situações de proporção simples, da classe de muitos para muitos. Esse estudo é um recorte de dois projetos interligados: Um estudo sobre o domínio das estruturas multiplicativas no Ensino Fundamental (E-Mult)[1] e As Estruturas Multiplicativas e a formação de professores que ensinam Matemática na Bahia (PEM)[2]. Os dados foram coletados de estudantes de quatro escolas públicas do sul da Bahia parceiras dos projetos, sendo  235 estudantes do 5º ano e 88 do 9º ano, que responderam um teste diagnóstico contendo 14 situações relativas à Estrutura Multiplicativa. A análise dessas três situações foi quantitativa e comparativa, relacionada ao desempenho e contou com testes estatísticos. Os resultados obtidos revelam que os estudantes dos dois anos escolares foram pífios, sendo que 5º ano não atingiu 10%, o que é razoável supor que esses estudantes não tiveram contato com situações desse tipo. Apesar do 9º ano ter alcançado melhor resultado em relação ao 5º ano, esse não passou dos 42% de acerto, apontando fragilidades no domínio do conteúdo de proporcionalidade.  Esses resultados revelam um sinal de alerta e apontam que é preciso trabalhar com uma variedade de situações de proporção simples, em especial da classe de muitos para muitos, permitindo que os estudantes possam aprimorar e expandir o Campo Conceitual Multiplicativo.   [1] Projeto de número 15.727 do Programa Observatório da Educação (OBEDUC) financiado pela CAPES [2] Projeto de número PES0019/2013 financiado pela FAPESB

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: , Acesso em, 28 fev. 2018.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.
GITIRANA, V.; CAMPOS, T. M.; MAGINA, S.; SPINILLO, A. Repensando multiplicação e divisão: contribuições da Teoria dos Campos Conceituais. São Paulo: PROEM, 2014.
IMENES, L. M.; LELLIS, M. Microdicionário de Matemática. São Paulo: Scipione, 1998. 351 p.
MACEDO, E. L. Proporcionalidade à luz da Teoria dos Campos Conceituais: uma sequência de ensino diferenciada para estudantes da EJA. 2012. 168 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.
MAGINA, S M P; SANTOS, A dos ; MERLINI, V L. O raciocínio de estudantes do Ensino Fundamental na resolução de situações das estruturas multiplicativas. Ciência & Educação, Bauru, v. 20, n. 2, p. 517-533, 2014.
POST, T. R.; BEHR, M. J.; LESH, R. A proporcionalidade e o desenvolvimento de noções pré-álgebra. In: COXFORD, A. F.; SHULTE, A. P. (Org.). As idéias da álgebra. (Hygino H. Domingues, trad.). São Paulo: Atual, 1995. p. 89 – 103.
RUDIO, F. V. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 29 ed. Petrópolis: Vozes. 2001.
VERGNAUD, G. La Théorie dês champs conceptuals. Recherches em Didactique dês Mathématiques, Grenoble, 1990.
______. A teoria dos campos conceituais. In: BRUN J. (Ed.). Didáctica das Matemáticas. (Maria José Figueiredo, trad.). Lisboa: Instituto Piaget, 1996. p. 155-191.
______. A criança, a matemática e a realidade: problemas do ensino de matemática na escola elementar. (Maria Lucia Faria Moro, trad.). Curitiba: Ed. da UFPR, 2009.
Publicado
2018-12-17