Democratização do ensino por meio da prática avaliativa: três cenários em aulas de matemática

  • André Luis Trevisan UTFPR
  • Marcele Tavares Mendes UTFPR
  • Anna Flávia Magnoni Vieira UTFPR
Palavras-chave: Avaliação da aprendizagem escolar, Prova escrita, Prova em fases, Relatório escrito

Resumo

Este texto ancorou-se em uma perspectiva de avaliação enquanto prática de investigação e oportunidade de aprendizagem, tendo em vista sua exploração em caráter formativo, como possível caminho para democratização do ensino e do conhecimento elaborado em sala de aula. Para tanto, apresentaram-se três cenários avaliativos vivenciados a partir das práticas dos autores, por meio de da utilização de instrumentos de avaliação: a prova escrita; a prova escrita em fases e o relatório escrito. Por meio da discussão acerca desses cenários, foi possível evidenciarmos possibilidades de uma prática avaliativa enquanto meio para democratização da prática pedagógica.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARLOW, M. Avaliação escolar: mitos e realidades. Porto Alegre: Artmed, 2006.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 1988. Disponível em . Acesso em 24 fev. 2019.

BRASIL. Lei n. 9 394, 26 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em . Acesso em 24 fev. 2019.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Brasília, DF, 2014. Disponível em . Acesso em 24 fev. 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em . Acesso em 24 fev. 2019.

BURIASCO, R. L. C.; FERREIRA, P. E. A.; CIANI, A. B. Avaliação como prática de investigação (alguns apontamentos). Bolema, UNESP - Rio Claro, v. 22, n. 33, p. 69-96, 2009.

CURY, H. N; CASSOL, M. Análise de erros em cálculo: uma pesquisa para embasar mudanças. Acta Scientiae, v. 6, n. 1, p. 27-36, 2004.

CURY, H. N., SILVA, P. N. Análise de erros em resolução de problemas: uma experiência de estágio em um curso de Licenciatura em Matemática. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v.1, p.85 – 97, 2008.
DE LANGE, J. Mathematics, Insight and Meaning. Utrecht: OW &OC, 1987.
______. Framework for classroom assessment in mathematics. Utrecht: Freudenthal Institute and National Center for Improving Student Learning and Achievement in Mathematics and Science, 1999. Disponível em: . Acesso em 16 jan. 2016.
ESTEBAN, M. T. Avaliar: ato tecido pelas imprecisões do cotidiano. In: GARCIA, R.L. (Org.). Novos olhares sobre a alfabetização. São Paulo: Cortez, p.175-192, 2000.

ESTEBAN, M. T. A avaliação no cotidiano escolar. In: ESTEBAN, M. T. et al. Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. 5 ed. Rio de Janeiro: DP&A, p. 7-28, 2003.

Esteban, M. T. Silenciar a polissemia e invisibilizar os sujeitos: indagações ao discurso sobre a qualidade da educação. Revista Portuguesa de Educação, v. 21, n.1, p.5-31, 2008.

ESTEBAN, M. T. Considerações sobre a política de avaliação da alfabetização: pensando a partir do cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 573-592, set./dez. 2012.

FERREIRA, C. J. A.; ALMEIDA, F. F. de. Avaliação escolar continuada: uma ousadia em favor da aprendizagem. Revista Interação, 13. ed., ano VIII,v.01, n.01, p. 31-41, 2014.
HADJI, C. A avaliação, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Tradução Júlia Lopes Ferreira e José Manuel Cláudio. 4. ed. Portugal: Porto, 1994.
JACOMINI, M. A.. Avaliação da aprendizagem em tempos de progressão continuada: o que mudou? Um estudo de teses e dissertações sobre o tema (2000-2010). Ensaio: avaliação e políticas púbicas em Educação, Rio de Janeiro, v.22, n. 84, p. 807-828, jul./set. 2014. Disponível em .
LUCKESI, C. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo, SP: Cortez, 2011a.
________. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2011b.
MENDES, M. T. Utilização da Prova em fases como recurso para aprendizagem em aulas de Cálculo. 2014. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.
MENDES, M. T.; TREVISAN, A. L.; BURIASCO, R. L. C. Possibilidades de intervenção num contexto de ensino e avaliação em matemática. Em Teia: Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, v. 3, p. 1-13, 2012.

PALHA, S.; DEKKER, R.: GRAVEMEIJER, K.; VAN HOUT-WOLTERS, B. Developing shift problems to foster geometrical proof and understanding. The Journal of Mathematical Behavior. Springer, v.32, p.141-159, 2013.

PALHA, S.; DEKKER, R.: GRAVEMEIJER, K. The effect of shift-problem lessons in the mathematics classroom. Internacional Journal os Science and Mathematics Education. Ministry of Science and Technology, Taiwan, v.13, p.1589-1623, 2015.

TREVISAN, A. L., MENDES, M. T.. A Prova Escrita como Instrumento de Avaliação em Aulas de Matemática. Educação Matemática em Revista (São Paulo), v.45, p.48 - 55, 2015.

TREVISAN, A. L., MENDES, M. T.. A Prova Escrita como Instrumento de Avaliação em Aulas de Matemática. Educação Matemática em Revista (São Paulo), v.45, p.48 - 55, 2015.

TREVISAN, A. L.; MENDES, M. T. Ambientes de ensino e aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral pautados em episódios de resolução de tarefas: uma proposta de caracterização. Revista Brasileira de Ensino e Tecnologia, Ponta Grossa, v. 11, n. 1, p. 209-277, 2018.
VAN DEN HEUVEL-PANHUIZEN, M. V. D. Assessment and Realistic Mathematics Education. Utrecht: CD-ß Press/FreudenthalInstitute, Utrecht University, 1996.
Publicado
2019-12-28