Percepções de professores que ensinam matemática participantes de um grupo de estudos colaborativo

Palavras-chave: Formação de Professores que Ensinam Matemática, Grupo colaborativo, Narrativas de aulas, Pensamento Algébrico

Resumo

Nesta pesquisa, defendemos a contribuição de espaços híbridos, como os grupos colaborativos, para a diminuição do distanciamento entre os saberes da teoria e da prática, aproximar os diferentes saberes entre os futuros professores e professores, elementos acerca da insubordinação criativa e das narrativas de aulas para a aprendizagem docente e a ressignificação da identidade profissional do professor que ensina matemática. Para isso, trazemos as percepções dos professores participantes acerca do grupo de estudos Insubordinação Criativa em Educação Matemática – ICEM, suas motivações, conhecimentos matemáticos para o desenvolvimento do Pensamento Algébrico nos anos iniciais, além do uso de narrativas de aulas com excertos de vídeos para ressignificações da docência. Assumimos a abordagem da Pesquisa Narrativa para nortear as ações e a análise das informações do estudo. A pesquisa tem caráter qualitativo e se caracteriza pela participação das pesquisadoras nas ações desenvolvidas pelo grupo. No estudo foram considerados textos de campo da pesquisa, entre eles: os registros escritos das pesquisadoras, fotos do grupo, registros reflexivos de professores e acadêmicos participantes do grupo. Os resultados demonstram que os participantes reconhecem que o grupo de estudos propicia a aprendizagem dos conhecimentos dos conteúdos associados ao desenvolvimento do pensamento algébrico, que as discussões suscitadas ao longo das atividades realizadas oportunizaram aprendizagens mútuas e o fortalecimento dos integrantes para resistir aos mecanismos de controle decorrentes das políticas vigentes.

Referências

Biológicas. In: CAINELLI, M.; FIORELI, I. (Org.). O estágio na licenciatura: a formação de professores e a experiência interdisciplinar na Universidade Estadual de Londrina. 1ed. Londrina: UEL, p.171 – 184, 2009.

BOAVIDA, A. M. R. Colaborando a propósito da argumentação na aula de Matemática. Quadrante, v. XV, n.1 e 2, 2006.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular – BNCC, Brasília: Ministério da Educação, versão aprovada pelo CNE, novembro de 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em: 15 mar. 2018.

CANAVARRO, A. P. Ensino exploratório da matemática: práticas e desafios. Educação e Matemática, Lisboa, v. 115, n. 1, p. 11-17, 2011.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Pesquisa Narrativa: Experiência e História em Pesquisa Qualitativa. 2ed. Uberlândia: EDUFU, 2015.

CYRINO, M. C. C. T. Desenvolvimento da identidade profissional de professores em comunidades de prática: elementos da prática. In: Anais do VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática - SIPEM 2015. Pirenópolis: SBEM, v. 1. p. 1-11, 2015.

D’AMBROSIO, B. S.; LOPES, C. E. Insubordinação criativa: um convite à reinvenção do educador da matemática. BOLEMA: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, v. 29, n. 51, p. 1-17, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-4415v29n51a01

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: M. de C. BORBA, J. de L. ARAÚJO (Orgs). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte, 6ª ed, Editora Autêntica. 2019.

FIORENTINI, D.; CRECCI, V. Desenvolvimento Profissional docente: Um Termo Guarda-Chuva ou um novo sentido à formação? Revista Brasileira de Pesquisa Sobre Formação Docente. Belo Horizonte, v. 05, n. 8, p. 11-23, 2013.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31 ed. São Paulo: Paz e Terra. 1996.

GARCIA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Tradução: Isabel Narciso. Lisboa, Porto Editora, 1999.

HALL, V.; WALLACE, M. Collaboration as a Subversive Activity: A professional Response to Externally Imposed Competition between Schools? School Organisation, v.13, n.2, p.101-117, 1993.

HARGREAVES, A. Os professores em tempo de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade Pós-Moderna. Portugal: MacGraw-Hill, 1998.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artimed, 2010.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

JUNGBLUTH, A.; SILVEIRA, E.; GRANDO, R. C. O estudo de sequências na Educação Algébrica nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Educação Matemática Pesquisa. São Paulo, v.21, n.3, p. 96-118, 2019. DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2019vol21i3p96-118

KAPUT, J.; BLANTON, M. Algebrafying the elementary mathematics experience. Part I: Transforming Task Structure. Proceedings of the ICMI-Algebra Conference. Melbourne, Australia, 2011.

MAISTRO, V. I. A.; ARRUDA, S. M.; OLIVEIRA, V. L. B. A importância do Estágio

MIZUKAMI, M. da G. N. Formação de professores: tendências atuais. São Carlos: Edusfcar, v. 1, p. 59-89, 1996.

NACARATO, A. M. As narrativas de vida como fonte para a pesquisa autobiográfica em Educação Matemática. Perspectivas da Educação Matemática – UFMS, Campo Grande, v. 8, número temático, p. 448-467, 2015.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 2008.

Obrigatório como Tempo de Construção na Formação Inicial para Licenciandos de Ciências

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez (Coleção docência em formação. Séries saberes pedagógicos), 2004.

RODRIGUES, P. H. et al. A mídia vídeo na formação de professores que ensinam Matemática: análise e pesquisas brasileiras. Nuances, Presidente Prudente, v. 25, n.2, p. 148-169, 2014.

SANTANA, F. C. M.; BARBOSA, J. C. As Relações Pedagógicas em um Trabalho Colaborativo Envolvendo Professores de Matemática: do Conflito à Gestão. In: Márcia C. da C. T. Cyrino. Temáticas emergentes de pesquisas sobre a formação de professores que ensinam matemática: desafios e perspectivas. (p. 19-42). Brasília, DF: SBEM, 2018.

SCHÖN. D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986. Recuperado de: http://www.fisica.uniud.it/URDF/masterDidSciUD/materiali/pdf/Shulman_1986.pdf

SHULMAN, L.S. Knowledge and teaching: foundations of a new reform. Harvard Educatinal Review, Cambridge, v.57, n.1, p.1-22, 1987.

SKOVSMOSE, O. Desafios da reflexão em educação matemática crítica. Campinas/SP: Papirus, 2008.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

VALE, I.; PIMENTEL, T. O pensamento algébrico e a descoberta de padrões na formação de professores. In: Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional. v.3, n.1. Escola Superior de Educação em Lisboa. Portugal, p. 98–124, 2013.

WEISZ, T. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. 2. ed. São Paulo: Ática, 2000.

ZEICHNER, K. M. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidade. Educação, v. 35, n. 3, p. 479-504, 2010.

Publicado
2021-05-01
Como Citar
Teres, S. L., & Grando, R. (2021). Percepções de professores que ensinam matemática participantes de um grupo de estudos colaborativo. Com a Palavra, O Professor, 6(14), 164-183. https://doi.org/10.23864/cpp.v6i14.626