A extensão universitária como possibilidade de constituição de espaços colaborativos para a formação de professores que ensinam matemática

Palavras-chave: Extensão Universitária, Colaboração, Formação de professores que ensinam Matemática, Práticas colaborativas

Resumo

O presente artigo tem por objetivo refletir sobre a potencialidade de projetos de extensão universitária na constituição de espaços colaborativos para a formação de professores que ensinam Matemática. Para tanto, tomou-se como análise duas experiências vivenciadas em duas Instituições de Ensino Superior distintas. Trata-se de um estudo qualitativo, do tipo descritivo que considerou como instrumento de dados os relatórios elaborados pelos coordenadores dos projetos analisados. Para a análise, inicialmente, considerou-se a descrição das experiências para, então, refletir sobre os aspectos característicos do trabalho colaborativo que foram revelados. A análise se estruturou em três eixos, a saber: i) intencionalidade dos coordenadores dos projetos; ii) espaço, participação e dinâmica do grupo e iii) reciprocidade de aprendizagem. Os resultados apontam que a proposição de projetos de extensão universitária se revela como lócus potencial para a constituição de espaços colaborativos num movimento de ruptura com estruturas hierarquizadas na formação de professores que ensinam Matemática. Além disso, se faz necessário a ampliação e a divulgação da perspectiva colaborativa entre os  formadores com vistas a mobilizá-los a assumirem esta postura epistemo-política em suas práticas.

Referências

BOAVIDA, Ana Maria; PONTE, João Pedro da. Investigação colaborativa: potencialidades e problemas. In: GTI— Grupo de Trabalho de Investigação da APM (org.). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, 2002. p. 43-55.

BRASIL. Lei 13.005, de 25 de junho de 2014 (2014). Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 08 de março de 2021.

CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

COSTA, Wedeson Oliveira; OLIVEIRA, Andreia Maria Pereira de. A participação de professores na elaboração de tarefas matemáticas em um trabalho colaborativo. Revemop, v. 1, n. 1, p. 105 - 125, 2019. DOI: https://doi.org/10.33532/revemop.v1n1a6

DAY, Christopher. Developing teachers: the challenges of lifelong learning. London: Falmer, 1999.

FERNANDES, Fernando Luís Pereira. Aprendizagem docente e colaboração de professores que ensinam matemática em projeto de extensão universitária. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v.14, n.16, p.01-10, jan./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.25090/remat25269062v14n162017p113a122

FIORENTINI, Dario. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. C; ARAÚJO, J. L. (Orgs.) Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

FIORENTINI, Dario. A Investigação em Educação Matemática desde a perspectiva acadêmica e profissional: desafios e possibilidades de aproximação. Cuadernos de Investigación y Formación en Educación Matemática, v. 8, n. 11, p. 61-82, 2013.

FREIRE, Paulo. Extensão ou Comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODINO, Juan D. Categorías de análisis de los conocimientos del profesor de matemáticas. UNIÓN: Revista Iberoamericana de Educación Matemática, n.20, p.13-31, 2009

IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo. Reflexões sobre a produção do campo teórico-metodológico das pesquisas colaborativas: gênese e expansão. In: IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo; BANDEIRA, Hilda Maria Martins; ARAÚJO, Francisco Antonio Machado (Orgs). Pesquisa colaborativa: multirreferenciais e práticas convergentes. Piauí: Edufpi, 2016. p. 33-62.

IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimento. Brasília: Líber Livro Editora, 2008.

LONGO, Conceição Aparecida Cruz; TINTI, Douglas da Silva Tinti. Um balanço do III Simpósio de Grupos Colaborativos e de aprendizagem do professor que ensina matemática. In.: FERNANDES, Fernando Luís Pereira et al. (Org.). Das práticas pedagógicas às políticas públicas em educação: diferentes contextos do trabalho colaborativo na formação de professores que ensinam matemática. Campinas, SP: FE/UNICAMP, 2018.

MARTINS, Amanda; MAIA, Mayara; TINTI, Douglas da Silva. Utilizando a Gamificação em uma intervenção pedagógica nas aulas de matemática do 7° ano. Revista Insignare Scientia - RIS, v. 3, n. 1, p. 309-321, 2020. DOI: https://doi.org/10.36661/2595-4520.2020v3i1.11228

NACARATO, Adair Mendes et al. Professores e futuros professores compartilhando aprendizagens: dimensões colaborativas em processos de formação. In: NACARATO, A. M.; PAIVA, M. A. V. P.(Orgs) A formação do professor que ensina matemática: perspectivas e pesquisas – 3. Ed. – Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

PALANCH, Wagner Barbosa de Lima; MANRIQUE, Ana Lúcia. Ações colaborativas universidade - escola: formação de professores que ensinam matemática em espaços colaborativos. Revista Eletrônica de Educação (São Carlos), v. 10, p. 188-202, 2016.

PINO-FAN, Luís; GODINO, Juan D. Perspectiva ampliada del conocimiento didáctico-matemático del profesor. PARADIGMA, n.36, v.1, p.87-109, 2015.

RICHIT, Adriana. Estudos de aula na perspectiva de professores formadores. Revista Brasileira de Educação, v. 25, p. 1-24, 2020.

SANTANA, Irani Parolin; SANT'ANA, Claudinei de Camargo; AMARAL, Rosemeire dos Santos. Grupos Colaborativos/Cooperativos No IV Simpósio. In: IV SIMPÓSIO NACIONAL DE GRUPOS COLABORATIVOS E DE APRENDIZAGEM DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA IV JORNADA DE ESTUDOS DO GEEM, 2018, Vitória da Conquista. Anais eletrônicos... Campinas, Galoá, 2018. Disponível em: <https://proceedings.science/geem/geem-2018/papers/grupos-colaborativos-cooperativos-no-iv-simposio>. Acesso em: 13 dez. 2020.

SANTOS, Aparecido dos. Formação de professores e as estruturas multiplicativas: reflexões teóricas e práticas. Curitiba: Appris, 2015.

SILVA, José Fernandes da. Componentes e indicadores de idoneidade didática de um curso de Licenciatura em Matemática: um levantamento relacionado aos aspectos ecológicos. Revista Acta Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 31, p. 1733-1739, 2018.

SILVA, José Fernandes da; PIETROPAOLO, Ruy César; FONT, Vicenç. Estudio del conocimiento de futuros profesores de Matemática sobre el uso Idóneo de recursos materiales. Acta Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 30, p. 1208-1217, 2017.

TINTI, Douglas da Silva. O papel de um grupo colaborativo na superação dos desafios enfrentados por professores principiantes de matemática. Revista de Educação Matemática, v. 14, n. 16, p. 34-44, 2017. DOI: https://doi.org/10.25090/remat25269062v14n162017p34a44

VERGNAUD, Gerald. A teoria dos campos conceituais. In: BRUN, J. Didáctica da matemática. Lisboa: Instituto Piaget, 1996, p. 155-191.

WENGER, Etienne; MCDERMOTT, Richard; SNYDER, William M. Cultivating communities of practice. Boston: Harvard Business School Press, 2002.

Publicado
2021-05-01
Como Citar
Tinti, D., & Silva, J. (2021). A extensão universitária como possibilidade de constituição de espaços colaborativos para a formação de professores que ensinam matemática. Com a Palavra, O Professor, 6(14), 337-352. https://doi.org/10.23864/cpp.v6i14.724